terça-feira, 30 de junho de 2015

CULTURA POPULAR: BATALHÃO DE BACAMARTEIROS EM CARMÓPOLIS


Nesta segunda feira 29 de junho, na cidade de Carmópolis, como de costume, acontece o cortejo junino do Batalhão de Bacamarteiros. Tradição centenária que leva centenas de pessoas as ruas ao som de instrumentos rústicos a exemplo da cuíca e do ganza e tiros de bacamarte.

Dia ideal para rever amigos e colocar o papo em dia, inclusive papos políticos! O Batalhão faz seu trajeto em toda cidade, com paradas em casas de populares e de políticos como manda o figurino. Entre o meio político, fez parte do cortejo, Ex-Prefeitos como Theotonio Neto, Volney Leite Alves, O Vice prefeito Atual, João Gilberto (GIL), Vereador Décio Neto que recebera o grupo em sua residencia, Vereadores Aecio de Aguada Luizinho, entre outros. Além da multidão várias lideranças comparecem para prestigiar os bacamarteiros, a exemplo de Lacerda da Petrobrás, o ex-vice prefeito Cacau etc... E, é claro,  todos aproveitam para prestigiar nossas raízes e tradições.

A CHAMA POLÍTICA CONTINUA ACESA!

Porque o Batalhão dos Bacamarteiros reúne amigos. No som da cuíca e na batida do pé, se vai longe...

BATALHÃO DE BACAMARTEIROS
É o principal grupo folclórico e foi fundado no Povoado Aguada, ainda na época da escravidão, por volta de 1780 nos engenhos de cana-de-açúcar. Os negros se mobilizavam para brincar samba de roda e atirar bacamarte, arma artesanal fabricada pelos próprios negros. Todos os instrumentos musicais (Pandeiro, Ganzá, Reco-Reco e Onça), bacamartes e pólvoras são fabricados pelo próprio grupo. Para confecção dos instrumentos musicais, é usada a madeira genipapeiro, árvore frutífera, típica da região, couro de animais e sementes. Na fabricação da pólvora são utilizados o carvão (Feito da Umbaúba), cachaça e enxofre. Durante o mês de Junho, os componentes se reúnem para o ritual do Pisca Pólvora. O grupo tem, atualmente, cerca de 60 componentes entre homens, mulheres e crianças. Essa manifestação é passada de pai para filho. Tem componentes que tem em torno de 80 anos e o mais novo 7 anos. Sua dança e musicas são inconfundíveis e por onde passam, contagiam a todos. Desfilam nas ruas durante os dias 24 no povoado aguada e no dia 29 na sede do município, visitando as residencias de pessoas tradicionais, onde consegue agrupar centenas de pessoas que cantam e dançam suas músicas. O tradicional tiro de bacamarte é a atração. Já se apresentaram e se apresentam em cidades de vários estados brasileiros.