sábado, 12 de novembro de 2016

OLHAR PROFÉTICO

*Olhar profético*


"Certamente o SENHOR Soberano não faz coisa alguma sem revelar o seu plano aos seus servos, os profetas"_Amos 3:7

Você gostaria de conhecer o futuro? Não sei qual é sua resposta. Contudo, para milhões de pessoas ao longo da história, a resposta é "sim". Os povos do antigo Oriente Próximo valorizavam adivinhos e videntes, que alardeavam o poder de alcançar o âmbito divino para predizer o futuro. Na atualidade, muitos estudiosos tentam combinar fatos históricos, dados estatísticos, previsões probabilísticas e megatendências sociais, entre outras coisas, para pintar cenários futuristas ou futuros alternativos possíveis.

O termo "futurologia", criado na década de 1940 pelo professor alemão Ossip Flechtheim, quase não é usado mais pelos profissionais da área. Mas, em termos populares, os "futurólogos" continuam tentando dar um toque científico aos estudos do futuro, e os supercomputadores estão aí para ajudá-los.

Apesar disso, continua sendo impossível para o ser humano conhecer o futuro. Às vezes, é mais fácil inventá-lo do que prevê-lo. Porém, existe uma possibilidade. Navegando acima dessas tentativas frustradas, os profetas recebem revelações divi­nas e podem anunciar o futuro. Não por acaso, o termo propheteia - combinação de pro, "adiante", "antecipado", e phemi, "falar" - quer dizer declaração da mente e do conselho de Deus.

O profeta é "um anunciador", a boca humana de Deus. A rigor, a profecia pode ser ou não preditiva. Porém, sem dúvida, o profeta vê mais longe do que os outros, embora não veja tudo. Seu olhar não é onisciente, mas é privilegiado. Funcionando como um Google Earth cósmico, o profeta tem uma visão panorâmica (e, às vezes, detalhada) do palco dos acontecimentos.

Nem todos confiam nos profetas bíblicos, mas isso só traz prejuízo para os céticos. A profecia tem clareza para motivar quem deseja entender e acreditar, enquanto preserva o mistério para afastar quem quer criticar e duvidar.

O fato de uma profecia bíblica não se cumprir exatamente como esperamos pode se dever a seu caráter condicional. Bruce Waltke usa uma comparação para explicar o fenômeno: a semente de uma árvore tem o código genético dessa planta, "mas o formato real da árvore depende das contingências históricas/geográficas". Do mesmo modo, "a profecia tem um 'código genético', especialmente as alianças, mas as circunstâncias históricas determinam seu cumprimento."

Você quer conhecer a essência do futuro? Leia a mensagem dos profetas. Seu futuro será mais seguro, pois eles "viajaram" até lá e viram que tudo terminará bem.
AMÉM!