domingo, 20 de novembro de 2016

SÓ UMA PICADINHA

*Só uma picadinha*
Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós._ (Romanos 8:18)

"É só uma picadinha!" Já ouviu essa frase? São as tradicionais palavras para acalmar as crianças antes de uma injeção ou vacina, mas não cos­tumam resolver muito. Quando eu tinha três anos, me mudei com meus pais para o norte do país. Antes de entrar na região, fomos vacinados contra febre amarela. Hoje em dia, a vacina é aplicada no braço, sem maiores transtornos. Ê só uma picadinha mesmo.

Entretanto, naquela época não era assim. Uma pistola injetava o líquido para dentro da pele. Meus pais tomaram primeiro. Perguntei se doía. Meu pai respondeu: "Dói um pouquinho, minha filha." Lá fui eu. Abri o maior berreiro e disse: "Não dói um pouquinho não. Dói muito!" E aí choramos todos juntos, pois a verdade é que doía mesmo um tantão. Nem adiantava querer disfarçar.

Por que os pais deixam os filhos pequenos passarem por uma dor como essa? O desejo dos pais não é poupá-los do sofrimento? Recentemente, tem crescido um movimento de pessoas contrárias às vacinas. Não vacinam nem a si nem a seus filhos. Elas acham que as chances de contrair as doenças são pequenas e que é uma exposição desnecessária do corpo a agentes agres­sivos e a perigosos efeitos colaterais. Eu prefiro ser precavida e vacino meu menino, mesmo sabendo que ele vai dar um choro sentido de quem ainda não entende muito bem o que está acontecendo. E difícil olhar meu bebê e ver suas lágrimas escorrendo pelo rostinho. No entanto, a "picadinha" dolorida é necessária para que ele esteja seguro. Dói, mas sei que é para o bem dele.

Há momentos em que Deus também precisa permitir que levemos "picadinhas". Por ser nosso Pai celestial, ele também preferiria que não precisássemos sofrer nunca. Seu coração se enche de tristeza ao ver as lágri­mas correndo por nosso rosto. Contudo, existem momentos em que a dor é necessária. Ela nos fortalece, amadurece, nos coloca no caminho seguro e nos impede de errar no futuro. Funciona como uma vacina contra um mal maior  e nos ajuda a ficar ainda mais próximos de Deus.