domingo, 15 de janeiro de 2017

BRINCANDO COM COISA SERIA

Brincando com coisa séria*

Qualquer homem ou mulher que invocar os espíritos dos mortos ou praticar feitiçarias deverá ser morto a pedradas. Essa pessoa será responsável pela sua própria morte._(Levítico 20:27)

Um menino bonito e educado, órfão de pai e mãe, é criado por tios que o maltratam e o menosprezam. Até que ele descobre ser filho de bruxos poderosos e vai estudar na melhor e mais tradicional escola de magia do mundo. Ele percebe que é alguém especial e aos poucos vai descobrindo sua verdadeira história. Esse é o início de uma famosa saga que conquistou milhões de crianças e jovens ao redor do mundo. Ela começa de modo inocen­te e nos desperta a simpatia pelo desprezado menino bruxo. A cada livro (ou filme), a história se torna cada vez menos inocente e mais sombria, e a parte da bruxaria fica cada vez mais explícita. Você deve saber a que livros e filmes estou me referindo. Talvez você pense que ler essas histórias ou assistir aos filmes não tem "nada a ver".

É assim mesmo que o inimigo apresenta suas artimanhas. De forma sutil, como algo que não tem "nada a ver". Em filmes e desenhos animados, é comum ver cenas de espíritos de pessoas mortas que se comunicam com as vivas. Quando não prestamos atenção e selecionamos muito bem aquilo que deixaremos entrar em nossa mente, torcemos por fantasmas e bruxos, por amores entre vivos e mortos e ainda achamos que não tem "nada a ver", afinal não passa de ficção.

A Bíblia é categórica em relação ao envolvimento com a feitiçaria. Na lei do antigo Israel, essa prática era um crime tão grave que deveria ser punido com o apedrejamento. Não estou propondo o apedrejamento de ninguém, mas o texto bíblico mostra como devemos levar a sério essa questão e fugir até mesmo das mais inocentes mentiras ligadas à magia.

Não se engane. O grande conflito entre o bem e o mal existe. A batalha travada pela posse de sua mente é ferrenha. O inimigo enfeita da melhor maneira possível suas mentiras e as apresenta como se fossem a melhor coisa do mundo. Uma de suas táticas é nos viciar em histórias mirabolantes, conta­das com efeitos especiais de cinema, deixando nossa mente tão acostumada ao excesso de estímulos que não conseguimos achar graça na leitura da Bíblia. Que Deus o ajude a encontrar  refúgio na Palavra e a demorar seu pensamento apenas naquilo que é bom.